Planilha do Atleta

Pensamento positivo para correr melhor

Você define uma meta – correr 3, 5, 10, 42 quilômetros. Foca no treinamento físico, seu corpo responde bem aos exercícios e, ao final, parece estar 100% para enfrentar qualquer desafio. Mas será que sua cabeça acompanhou o RITMO? Longe de querer ser uma reportagem de auto-ajuda, nosso objetivo aqui é mostrar que além de acumular quilometragem você deve “treinar” sua mente. Essa “preparação psicológica” – que envolve desde mentalizar imagens positivas a controlar as emoções antes e durante uma prova ou treino importante (como um longão) -, pode ajudar consideravelmente em sua próxima corrida.

“Apenas o fato de pensar em um evento estressante, negativo ou de muito medo já dispara em nosso organismo uma série de mudanças bioquímicas e físicas (cortisol, adrenalina, tensão muscular, respiração ofegante, batimentos cardíacos acelerados), que alteram cérebro e corpo, a fim de reagir prontamente, se defendendo. Essa reação tem o nome de luta ou fuga e é produto da evolução da espécie humana”, explica a psicóloga do esporte Carla Di Pierro, do Instituto Vita, de São Paulo.

A maneira de interpretar e valorizar os eventos que acontecem ao redor do seu treino e como seu corpo está no momento é outro fator importante para a “malhação mental”. Afinal, a cabeça segue nossas instruções. Se você se enxerga cansado, se arrastando, muito provavelmente é isso que vai acontecer. Ao contrário, se mentaliza boas passadas, respiração ritmada e postura, suas chances de correr melhor aumentam, porque seu cérebro entende que é assim que é para fazer. “Alguns atletas se imaginam como super-heróis correndo e isso os ajuda a manter postura interna e externa para ter melhor performance e motivação”, acredita Daniela Lops.

Em uma competição, a tática também é válida. A psicóloga do Instituto Vita conta que é como se a gente usasse uma ‘lente de contato': se você valoriza a corrida como uma prática saudável e compete porque sente prazer, a prova será interpretada por esta ‘lente’ como algo positivo e prazeroso. Agora, se você enxerga a competição como ‘o grande momento de aprovação da sua vida, algo penoso e difícil’, provavelmente não vai se motivar a correr uma prova ou competirá com muito esforço e dificuldade, levando a alta ansiedade e ficando muito vulnerável às sensações de dor e fadiga.

 Experimente agora algumas dicas das especialistas e prepare sua mente para voar baixo na próxima competição.

CONTROLE A ANSIEDADE

Geralmente ela surge por alguma insegurança, que pode ser normal – afinal, você não quer ir para uma prova totalmente relaxado, não é? -, ou mais intensa, como um medo ou mesmo um certo pânico. Segundo a psicóloga do esporte Daniela Szeneszi Lops, atitudes simples podem ajudar a diminuir a ansiedade, mantendo você concentrado e tranqüilo antes, durante e até depois da competição.

1) Estabeleça um objetivo possível e ao mesmo tempo motivador para a prova.

2) Focalize não apenas resultados, mas como você quer fazer esse percurso (características físicas e psicológicas).

3) Visualize você correndo a prova com essas características e alcançando seu objetivo. Faça essa mentalização o número de vezes NECESSÁRIO para mantê-lo motivado.

4) Confie em você mesmo e, no dia da prova, faça tudo o que fez nos dias de treinamento, seguindo seus rituais e sua alimentação, usando roupas confortáveis etc.

5) E, finalmente, caso não obtenha o resultado desejado, analise a competição com olhos de observador: o que fez certo, o que deu errado, e o que pode melhorar e mudar para a próxima vez.

 fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/